segunda-feira, 9 de março de 2009

Devadasis dançarinas sagradas.

Devadasis sul da Índia 1920


Devadasi de Puri , abaixo passando para novas geraçoes.
















As Devadasis são uma tradição muito antiga que praticamente desapareceu da Índia hoje.
Elas eram mulheres que eram oferecidas aos templos e ritualmente casadas com a deidade a qual serviam, antigamente era uma pratica comum aos templos principalmente os mais opulentos, mas com o declínio dos reinos hindus e a degeneração do estilo de vida a prática se poluiu e de mulheres de grande estatus social e conhecimento sagrado começaram a ser tratadas como prostitutas.
As devadasis originalmente eram garotas entregues ao templo quando crianças e eram treinadas em danças clássicas, sânscrito, poesia, pintura e rituais, eram de extrema sofisticação e refinamento e tinham grande status na sociedade, como eram casadas com a deidade e por este motivo era uma mulher “sempre auspiciosa” pois nunca ficaria viúva, seus serviços eram imprescindíveis para os ritos do templo.
Não se sabe ao certo de quando a prática do serviço das devadasis começou, mas em vários Puranas se encontram citações acerca as devadasis , além de também na literatura sânscrita antiga como nos poemas de Kalidasa.
As devadasis da antiguidade e do período medieval eram brahmacharinis (virgens) que dedicavam suas vidas o serviço do templo e de Deus, inclusive algumas princesas ingressavam na vida de devadasis até por volta do século X.
Enquanto mais rico o templo maior era o numero de devadasis que ele sustentava , o templo de Brihadiswara em Tanjore no sul da Índia tinha 500 em sua inauguração em 1010 D.C, o Somanath tinha o mesmo número antes da sua destruição por parte dos muçulmanos só para citar exemplos.
Um local onde as devadasis nunca praticaram a prostituição foi o templo de Sri Jagannatha em Puri, onde são chamadas Maharis, é esperado que mantenham a castidade por todo o período em que sirvam as deidades.
O temo mahari significa “grande mulher que controla seus impulsos”e também vem Mohana (Krishna) Nari (mulher) ou mulher que pertence a Deus.
Sri Caitanya Mahaprabhu chama as devadasis de sevakis ou servas pois serviam a deidade com seu canto, dança e música. Com as invasões muçulmanas o pratica foi declinando e o papel da mulher (por influencia islâmica) foi mudando e elas perderam liberdade e parte de seu prestigio.
Em 1956 haviam apenas 9 devadasis no templo de Puri, em 1980 apenas 4, Haripriya, Kokilprabha, Paroshmoni and Shashimoni , hoje apenas Paroshmoni e Shashimoni estão vivas.
Em Puri nos últimos periodos documentados as devadasis dançam apenas duas vezes ao dia para a deidade, após o desjejum enquanto as deidades são vestidas e adornadas perante o público e quando as deidades vão para a cama, enquanto se canta o Gitagovinda, após isso elas anunciam que o Senhor está dormindo e os guardas fecham o templo.
Durante a dominação inglesa seres sem escrúpulos que falavam em nome do cristianismo (em plena Índia! menos , até hoje para cristãos nos hindus somos demônios sem alma, pagãos e idólatras , com muito orgulho!!!) eram feito debates onde se denegria a tradição a música e as danças clássicas ( que quase acabaram) e as devadasis foram proibidas de exercer suas funções, pois todas foram consideradas prostitutas o que denegria a moral cristã e o bons costumes!!! (matar na fogueira mulheres não denigre!!! ) , então para manter a tradição homens se vestiam de mulher para poder dançar nos templos e em locais escondidos.
Com o Hindu Revival Moviment (Movimento Revivacionista Hindu) com a ajuda na Sociedade Teosófica propagaram o revitalização das devadasis e junto com elas as artes clássicas e junto com uma elite nativa fizeram denuncias públicas contra a moral e o materialismo cristão, e junto com os esforços de muitos indivíduos conseguie-se salvar muitas formas de arte tradicional principalmente o Bharatanatyam, e o colocaram nas mãos de puras, castas e sagradas mulheres como era antigamente.
Madhavi Mudgal(foto acima) espoente do Odissi e de familia tradicional de artistas.

video

4 comentários:

  1. Arjuna, poderia haver um post sobre Tulasi. Gosto tanto...
    Hare Krishna!

    ResponderExcluir
  2. jay !
    obrigada pela contribuição!

    ResponderExcluir
  3. Espetaculoso seu post Dasa,
    acreditemos na sempre retomada do poder feminino...
    obrigado.

    ResponderExcluir
  4. o que poderia ser um bom texto educativo e de passagem de conhecimento, torna-se menos bom devido aos comentarios pessoais do autor.

    toda a religiao professa pensamentos e atitudes positivas....os comentarios do autor revelam tudo menos isso. revela preconceito e má intençao...termino dizendo que em todas as religioes, ha gente boa e menos boa...e criticas feitas como as que foram proferidas, nao é de gente boa e mto menos ligada à espiritualidade e à sabedoria do saber viver.
    p.s. quero salientar q sou ateia...que nao estou aqui a defender ninguem...mas considero q os comentarios pessoais ao longo do texto sao tao mediocres como quem no seculo xvi incentivou a inquisiçao. o principio é o mesmo.
    catia

    ResponderExcluir